Postado em 24 de Julho às 09h42

Caranguejos que salvam vidas

Especial (21)

Indústria bioquímica depende destes animais para produção segura de medicamentos

A expressão sangue azul data do Egito Antigo, está cercada por estigmas étnicos e raciais e é sinônimo de nobreza. Cientificamente, contudo, trata-se do sangue de um artrópode de nove olhos: uma espécie de caranguejo-ferradura do gênero Limulus encontrado no Atlântico, Índico e Pacífico, cuja existência é estimada em 450 milhões de anos. A tonalidade deriva do cobre presente no sangue destes animais.

Costuma-se dizer que estes caranguejos salvam vidas. Seu sangue é essencial na produção de vacinas. A descoberta foi em 1956, quando Fred Bang reparou que o sistema imunológico do caranguejo-ferradura conseguia detectar bactérias tóxicas.

O lisado de amebócitos de límulo retirado destes animais é um recurso essencial para que a indústria farmacêutica torne vacinas, injeções e equipamentos médicos seguros para uso humano. O líquido é empregado no processo de fabricação de diversos produtos farmacêuticos projetados para entrar em contato com a corrente sanguínea humana já que é capaz de revelar a presença de contaminantes.

Em 1977, a agência Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aprovou a utilização do lisado. De lá pra cá, sob protesto dos ambientalistas mais conservadores, todos os anos, milhares destes animais são capturados para uso biomédico, principalmente nos Estados Unidos.

Caro e em risco de extinção

O caranguejo-ferradura está ameaçado de extinção. Eles são devolvidos ao mar após a coleta de 30% do seu sangue, porém, nem todos sobrevivem. Por ser a única fonte natural reconhecidamente segura para o fim, as indústrias farmacêuticas dependem da espécie, o que torna o líquido um dos mais caros do mundo: um litro do chamado sangue azul chega a ser vendido por 15 mil dólares.

As indústrias que quiserem comercializar vacinas contra a covid-19 nos Estados Unidos, por exemplo, terão de usar o lisado nos testes e na produção. A exigência é da farmacopeia norte-americana (USP), que estabelece padrões científicos para medicamentos e outros produtos. Algumas indústrias farmacêuticas já sintetizam a molécula, possibilitando uma abordagem ecologicamente correta, entretanto, a alternativa parece não ser efetiva e ainda não é recomendada nos EUA.

Com informações de NatGeo.

Veja também

O Mal do Século16/04/18Considerada a grande patologia desta geração, a depressão lidera a lista de doenças incapacitantes e atinge mais de 320 milhões de pessoas. Por Carol Bonamigo Há quase 18 anos, Fernando da Silva Smaniotto convive com os pensamentos pessimistas que o assombram. Situações que ameaçam sua segurança, doenças terminais incuráveis, autodepreciação e punições divinas permeiam a sua mente a cada instante. Basta uma hora de conversa com o garçom de 30 anos para se compadecer......
Guerra dos Canudos09/08/18Cerca de 35% do plástico produzido é usado só uma vez, por apenas 20 minutos, o seu descarte inadequado resulta em um décimo desse produto encontrando o mar. Por Carol Bonamigo Tudo o que você consome acaba, eventualmente, sendo descartado. Se você nunca parou para pensar nisso, talvez este seja o momento. O plástico, por exemplo, um produto inegavelmente presente no cotidiano da vida......
Os perigos dos cigarros eletrônicos29/05 Brasil tem casos suspeitos de doenças pulmonares provocadas pelo uso dos dispositivos. Nos Estados Unidos, o assunto é tratado como epidemia Eles não causam mau hálito, não espalham bitucas, não possuem mau cheiro......

Voltar para NOTÍCIAS