Postado em 30 de Junho de 2020 às 08h35

Saúde Bucal

Sorria! (8)

Ministério da Saúde realiza nova edição de estudo epidemiológico

A investigação Saúde Bucal (SB Brasil 2020), adiada deivido à pandemia, pretende examinar cerca de 30 mil brasileiros para identificar os principais problemas na saúde bucal da população brasileira. A pesquisa será realizada nas capitais de todos os estados, Distrito Federal e em cinco municípios do interior das regiões do Brasil. Além de mapear acesso a serviços odontológico, o levantamento caracterizará o perfil demográfico e socioeconômico dos participantes.

Pesquisadores vão avaliar a população para identificar as condições bucais mais comuns como cárie dentária, doenças periodontais, necessidade de próteses dentárias, condições da oclusão, traumatismo dentário e o impacto dessas condições na qualidade de vida, entre outros aspectos.

Efigênia Ferreira, Doutora do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), instituição responsável pela investigação deste ano, informa que a pesquisa vai examinar diferentes faixas etárias (5, 12, 15 a 19, 34 a 45 e 65 a 74 anos). “É um estudo complexo porque avalia cinco grupos etários e examina várias morbidades. Serão mantidas a coletas de dados de interesse da saúde pública e que permitam análises comparativas dos dados. Além dos executores, professores-pesquisadores da Faculdade de Odontologia-UFMG, contamos com um grupo de pesquisadores vinculados a outras universidades com experiência em levantamentos anteriores e também com o apoio da rede de serviços públicos de saúde bucal de todos os estados do Brasil. É um grande esforço nacional, a cargo da Coordenação Geral de Saúde Bucal do Ministério da Saúde. Seus resultados nos darão o quadro atual e principalmente, um norte para as ações futuras.”

Para o Ministério da Saúde, a SB Brasil é uma importante ferramenta para analisar as condições atuais de saúde bucal da população brasileira, e para aprimorar a Política Nacional de Saúde Bucal, Brasil Sorridente.

Índices Brasil

Na última pesquisa (2010), 43,5% das crianças brasileiras de 12 anos estavam livres de cárie na dentição permanente. A idade de 12 anos é referência da Organização Mundial da Saúde (OMS), pois neste período a dentição permanente está quase completa. O Ministério da Saúde relata que em 1986, o índice de cárie aos 12 anos era de 6,7, aproximadamente sete dentes afetados pela doença, a maioria sem tratamento. De 2003 para 2010 houve uma redução de 26% deste índice.

“Do primeiro levantamento, feito em 1986, até o mai srecente, 2010, a melhora foi substancial. E podemos dizer que a cárie dentaria aos 12 anos se mostrou bem controlada. Nas outras idades ainda temos um quadro preocupante, principalmente para crianças de cinco anos e idosos. Aproximadamente 50% das crianças de cinco anos apresentaram a cárie dentária, a maioria sem tratamento, portanto sujeitas à dor e desconforto. E mais de 50% dos idosos são desdentados totais”, constata Doutora Efigênia Ferreira.

Disparidades regionais

As regiões centro-oeste, norte e nordeste apresentavam os maiores índices de cárie, segundo o último levantamento epidemiológico (2010). Quando analisado o padrão médio da população, foi possível comprovar diferenças entre as regiões brasileiras. Regiões com maior desenvolvimento econômico, como sul e sudeste apresentaram um quadro de saúde bucal um pouco melhor que as regiões norte e nordeste, por exemplo. Contudo, Doutora Efigênia explica que em qualquer região haverá populações com melhor e pior saúde bucal. Todo estudo sobre saúde no mundo vai ressaltar estas diferenças, pois piores condições de vida estão associadas às piores condições de saúde. Populações carentes vão melhorar a saúde bucal quando tiverem melhores condições de vida, complementa Efigênia Ferreira.

Doutora Deise Bonatto é odontóloga em Boa Vista da Aparecida, cidade essencialmente agrícola de quase 8 mil habitantes, localizada no interior do oeste do Paraná, distante 600 quilômetros da capital Curitiba. Dados do IBGE 2017, indicam renda média mensal de 1.7 salários mínimos; taxa de escolaridade (6 a 14 anos) de 99,2% e esgotamento sanitário adequado em apenas 13.5% dos domicílios. O dia a dia do consultório privado evidencia os dados do estudo. Doutora Deise afirma que, apesar de a população urbana receber água fluoretada, a cultura da higiene bucal e os cuidados com a alimentação, estão diretamente ligados à qualidade da saúde bucal: “Muitos de nossos pacientes infantis abusam da ingestão de comidas industrializadas, têm uma dieta rica em açúcares, não realizam escovação e higiene bucal adequadas e acabam desenvolvendo cáries e até outros tipos de doenças. 90% dos idosos são portadores de algum tipo de prótese. Grande parte dos nossos clientes vêm para algum tipo de procedimento: cárie, canal, extração. Poucos vêm para controle. Deveria ser o contrário. Vejo como uma questão cultural, de acesso à informação e educação sobre saúde bucal”, destaca Deise.

Saneamento básico de qualidade

No relatório de 2010, o Ministério da Saúde ressaltava: “O significativo crescimento das equipes de saúde bucal, a criação de centros de especialidades odontológicas, a habilitação de municípios com laboratórios de próteses dentárias, a distribuição de 72 milhões de kits de escova e pasta dentária, a ampliação do acesso à água tratada e fluoretada para cerca de sete milhões de brasileiros proporcionaram a redução do número de dentes extraídos.”

Contudo, atualmente, quase 35 milhões de pessoas da população brasileira não têm acesso sequer ao abastecimento de água (16,38% da população). São dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), analisados pelo Instituto Trata Brasil.

Doutora Efigênia Ferreira assegura que a fluoretação da água de abastecimento público se mostrou uma medida eficaz contra um dos problemas, a cárie dentaria. “Para isso, é preciso que a população tenha disponível em sua casa a água tratada e fluoretada ou que tenham disponível para uso diário, a pasta dental com flúor. A doença periodontal pode ser melhor controlada por meio da higiene da boca. É preciso que todos tenham escova, fio dental e pasta de dente, que aprendam como e quando usar e que tenham o hábito de limpar os dentes. Além disto, a assistência odontológica deve estar disponível para todos. Muitos brasileiros são desdentados porque não tiveram oportunidade de fazer um tratamento quando precisaram e quando conseguem fazer já não há mais como tratar. Uma boa alimentação contribui para a saúde, em qualquer aspecto. Não será diferente com relação à saúde bucal, certifica Efigênia Ferreira.

O saneamento básico é um direito assegurado pela Constituição Brasileira e pela Lei nº. 11.445/2007. É definido como o conjunto dos serviços, infraestrutura e instalações operacionais que englobam abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana, gestão de resíduos sólidos. “Ter saneamento básico é um fator essencial para um país poder ser chamado de país desenvolvido. Os serviços de água tratada, coleta e tratamento dos esgotos levam à melhoria da qualidade de vidas das pessoas, sobretudo na saúde Infantil”, garante o Instituto Trata Brasil.

Veja também

Destacando sorrisos22/12/17Aparelho invisível de fácil adaptação para os dentes. Por Samara Grando A odontologia vai além da estética e se preocupa com tratamentos cada vez mais humanizados. Harmonizar a face, destacar dentes e, principalmente, deixar em dia a saúde bucal são alguns dos principais objetivos dos dentistas. Quem procura por um dentista para corrigir ou alinhar os dentes, encontra sempre diversas opções no segmento......
Lentes de contato para os dentes13/10/17Novas técnicas na odontologia estética. Reportagem: Katiane Marques A odontologia estética é um conjunto de procedimentos personalizados com o objetivo de devolver a harmonia de um sorriso perfeito ao paciente. Cada vez mais a tecnologia tem proporcionado avanços para......
Odontologia04/08/20 Equilíbrio do organismo envolve cuidados com a saúde bucal A visita ao dentista deve ser incorporada aos check-ups anuais e exames de rotina. Devemos abandonar o costume de ir ao dentista só para tratar dores. A saúde da boca......

Voltar para NOTÍCIAS