Postado em 13 de Outubro de 2017 às 17h13

Horta comunitária

Gestão Pública (20)

Proporcionando alimento, integração social e qualidade de vida.

Reportagem: Daiana Verdério

O sol ainda se insinua no horizonte quando o dia começa na horta comunitária do Conjunto Guaiapó, em Maringá, Paraná. Em meio aos canteiros de verduras e legumes transitam homens e mulheres prontos para mais um dia de intenso trabalho. Logo chega o café trazido por Idalina Marcelino, mãe de sete filhos e avó de 12 netos.

A jovialidade com que encara a rotina, sempre com um sorriso fácil no rosto, desmente seus 52 anos. “Sou uma pessoa feliz e faço do trabalho na horta uma terapia diária”, resume a matogrossense, há 10 anos em Maringá, para em seguida se dedicar a cuidar dos canteiros de alface, almeirão, couve, beterraba, brócolis, rúcula, chicória, salsinha e até plantas medicinais. Idalina Marcelino integra uma das 899 famílias envolvidas com o programa das hortas comunitárias, criada em julho de 2007, incentivando moradores a criar e manter espaços verdes com produção de horticultura em bairros da cidade. Ao todo, são 37 hortas comunitárias instaladas, incluindo a horta do distrito de Floriano e outra em fase de implantação no distrito de Iguatemi. O preço das verduras e dos legumes varia entre R$ 1 e R$ 3.

Idalina foi uma das primeiras pessoas a ganhar canteiros da 22ª horta comunitária da cidade, inaugurada em abril de 2012. Ela ficou com o canteiro número 1 no sorteio. A rotina sempre é a mesma: regar as plantas, retirar plantas daninhas, colher e disponibilizar os produtos para a venda diretamente do produtor para o consumidor, sem intermediários.

Sentado na outra ponta do improvisado banco de madeira, Aldevandro dos Santos larga a frase em alto e bom som: “a beterraba para crescer deve ser plantada em noite de lua cheia. Na minguante, ela cresce com a cabeça maior”. O aposentado de 67 anos chega cedo na horta e fica até o anoitecer. “Seo Vandro” é o ′guardião′ da horta comunitária e conta que o trabalho voluntário tem funcionado como ′remédio′ para ele. “Fui diagnosticado com câncer de próstata há anos. Antes de criar intimidade com os canteiros, passava até cinco dias internados Nos últimos meses o jogo virou”, afirma, referindo-se ao bem que cuidar das plantas lhe fazem.

Outros 17 moradores passam horas cuidando de canteiros com tamanhos variáveis entre 10 e 15 metros de comprimento por um metro de altura. “O cultivo de alimentos não proporciona apenas alimentos saudáveis, mas também estimula a convivência, fortalece vínculos e rende dinheiro para os voluntários”, diz o gerente das hortas comunitárias, Maurílio Donizete de Jesus.

Sobre o projeto

O espaço e toda a infraestrutura das 37 hortas comunitárias é cedido para que moradores plantem e cuidem do canteiro a que têm direito. O local é do município, as terras são preparadas e os canteiros são montados pela Secretaria de Serviços Públicos (Semusp), que também disponibiliza sementes e mudas.

Atualmente, cerca de 899 famílias são beneficiadas de forma direta com as verduras. A produção é em média de 1.066 bandejas de mudas por mês. Mais duas unidades serão implantadas ainda neste ano: uma no Parque Hortência e outra no Jardim Sumaré. O projeto atende preferencialmente às famílias de baixa renda.

O município promove orientações e custeio de maquinário agrícola, esterco, compostagem, assistência básica com mangueiras, regadores, insumos para plantio, adubação, terra, serviços de roçada, limpeza, pedriscos e fiscalização com engenheiro agrônomo.

A Central de Compostagem, local onde é produzido adubo orgânico para abastecer as hortas comunitárias, funciona desde janeiro de 2016. As toneladas de verduras e legumes produzidas não contém nenhum tipo de agrotóxicos e venenos, tudo para o controle de doenças e aumento da produtividade.

De acordo com o gerente das hortas comunitárias, o adubo é produzido por meio de resíduos industriais doados por diversas empresas. A estrutura, localizada na estrada São Luiz (estrada Gleba Pinguim), é de 10 mil metros quadrados de extensão. A cada 90 dias são produzidas 800 toneladas de adubo.

Veja também

Hoje Brumadinho...e amanhã?16/04O alarme não soou e quando se percebeu, a lama já arrastava tudo o que estava pela frente. Por Tuanny de Paula Sem aviso e um barulho estrondoso. Esse é o relato dos moradores do município de Brumadinho/MG sobre o rompimento da barragem na Mina Córrego do Feijão, administrada pela empresa Vale. O desastre aconteceu no dia 25 de janeiro de 2019, durante o meio dia. Em questão de 90 segundos, mais de 11,7 milhões de metros cúbicos de lama se espalharam......
O ar que você respira22/12/17A delicada relação entre a saúde humana e o meio ambiente. Por Carol Bonamigo Em 2014, o cineasta anglo-americano Christopher Nolan escreveu e dirigiu um aclamado filme de ficção científica. Em Interestelar, um futuro distópico não tão distante mostra um planeta Terra com......
Os desafios da logística reversa25/09 Setor cobra normas específicas, desburocratização e incentivos fiscais para melhorar o descarte correto de resíduos sólidos no Brasil Keli Magri Sabe aquele celular velho que você não usa mais? Ou as......

Voltar para NOTÍCIAS