Postado em 07 de Abril às 12h54

Dia Mundial da Saúde

Especial (19)Notícias (6)

Em meio à pandemia Covid-19, profissionais devem redobrar cuidados no manejo dos resíduos de saúde

Com o retorno de atividades ligadas a profissionais de clínicas odontológicas, de saúde, veterinárias, salões de beleza, manicures, podólogos, barbearias, medicina por imagem, dentre outros, aumenta a geração de resíduos de serviços de saúde (RSS).

Trabalhadores desses setores devem ser capacitados para a prevenção da transmissão e contaminação por agentes infecciosos, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, que classifica o novo coronavírus como agente biológico de alto risco individual e moderado risco para a comunidade.

Profissionais de empresas caracterizadas como geradoras de resíduos de saúde devem redobrar a atenção e seguir rigorosamente os protocolos de higiene e segurança, indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde, devido aos riscos de contaminação biológica pelo Covid-19.

Resíduos de serviços de saúde (RSS)

O ciclo da gestão de resíduos de serviços de saúde inicia pelos profissionais diretamente vinculados ao manuseio de materiais que podem estar infectados ou conter resíduos enquadrados na Resolução 222 da Anvisa.

Os trabalhadores de serviços de saúde são responsáveis pela classificação e segregação correta e adequada dos resíduos que, posteriormente, seguirão a cadeia da gestão de resíduos conforme normas oficiais.


Orientações


Visando orientar a adoção de medidas de prevenção e controle durante a assistência a casos suspeitos ou confirmados de Covid-19, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou recomendações que vão desde o atendimento hospitalar ao tratamento de resíduos provenientes de pacientes suspeitos ou confirmados de infecção pelo Covid-19. 

O cenário de alto risco de infecção demanda cuidados especiais em todos as etapas da cadeia de produção e gestão de resíduos de saúde e envolve diferentes setores e serviços, do profissional da saúde aos profissionais das empresas responsáveis pelo tratamento e destinação correta destes materiais, com foco a evitar a proliferação da doença.

Assegure-se de seguir as recomendações de segurança, capacitação, uso de equipamentos de proteção individual e verifique se sua empresa atende às exigências legais.
 

Veja também

A crise das chuvas09/07/19 Enchentes acontecem há mais de um século no Brasil e desafiam cidades na busca por soluções Keli Magri A enfermeira Sandra Portella ainda lembra com detalhes dos dias de caos vividos pela família em novembro de 2008, em Itajaí, cidade litorânea de Santa Catarina. A chuva forte e contínua no mês fez transbordar o Rio Itajaí-Açu e em......
Os perigos dos cigarros eletrônicos29/05 Brasil tem casos suspeitos de doenças pulmonares provocadas pelo uso dos dispositivos. Nos Estados Unidos, o assunto é tratado como epidemia Eles não causam mau hálito, não espalham bitucas, não possuem mau cheiro......
A vida em um planeta paralelo18/12/19 Transtorno do Espectro Autista (TEA) atinge 1% da população mundial e um a cada 59 brasileiros. Famílias escrevem cartas para a Revista e contam como lidam com o autismo que desafia a medicina  Keli Magri Gabriel,......

Voltar para NOTÍCIAS