Postado em 05 de Junho às 14h39

Descarte solidário

Destino correto aos resíduos eletrônicos

Há tempos a sociedade tem voltado os olhos para a necessidade de cuidar do meio ambiente e um dos desafios é reaproveitar aquilo que não tem mais serventia. Na última matéria em comemoração à semana do meio ambiente, você vai conhecer um projeto realizado no Rio de Janeiro que, além de evitar que toneladas de resíduos eletroeletrônicos prejudiquem o meio ambiente, tem ajudado financeiramente entidades do Estado.

A iniciativa é resultado da pesquisa de mestrado de Anderson Oliveira, colaborador do Grupo Servioeste. Anderson constatou que os eletroeletrônicos necessitam de uma condição específica para recolhimento, pois não pertencem à cadeia de reciclagem de itens como papel, plástico, vidro e metais.

“A pesquisa identificou, também, que ações desenvolvidas pelos próprios fabricantes não obtinham resultados expressivos e atingiam apenas uma pequena parcela da população. O projeto piloto aconteceu em Volta Redonda/RJ e em quase dois anos foi desenvolvido nos municípios de Barra Mansa, Resende, Rio Claro, Piraí, Vassouras, Pinheiral, Mendes, Engenheiro Paulo de Frontin, Miguel Pereira e Seropédica”, explica Anderson.

As ações consistem em um dia de mobilização para recolhimento de eletroeletrônicos nas comunidades. Para facilitar o descarte, também são espalhados eco pontos de coleta pela cidade um mês antes do dia “D”. O que era apenas um projeto de estudo, se transformou numa iniciativa viável de sustentabilidade que conta com o envolvimento de entidades, universidades, empresas e imprensa.

Desde que iniciou, o Projeto Descarte Solidário de Resíduos Eletroeletrônicos recolheu mais de 153 mil toneladas de resíduos, evitando o descarte de forma incorreta. “Este tipo de resíduo, quando colocado no meio ambiente, sem o devido tratamento, se torna nocivo. Por isso, os equipamentos são desmontados e as peças reaproveitadas. Nós temos uma parceira com uma empresa de Juiz de Fora/RJ que compra o material coletado e o recicla”, explica o idealizador.

O dinheiro da venda dos resíduos eletroeletrônicos é destinado à instituições das cidades onde o projeto é desenvolvido. A escolha é feita por uma comissão formada por apoiadores da iniciativa. O valor repassado às entidades já soma quase 30 mil reais.

“Não dá pra fechar os olhos para um problema que está ao nosso lado. Se envolvermos a sociedade fica mais fácil ajudarmos o meio ambiente”, aposta Anderson.

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o mundo produzirá cerca de 120 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos até 2050. Todo ano, o Brasil gera cerca de 1,5 milhão de toneladas destes resíduos. Os dados são de relatório produzido pela Plataforma para Aceleração da Economia Circular (PACE) e da Coalizão das Nações Unidas sobre Lixo Eletrônico. “Além de impactos à saúde e poluição, gestão imprópria de lixo eletrônico está resultando em uma perda significativa de materiais brutos escassos e valiosos, como ouro, platina, cobalto e elementos terrestres raros”, ressalta a ONU.

Ações solidárias como as que apresentamos na semana do meio ambiente são viáveis e contribuem para a construção de um mundo melhor. Faça sua parte! 

Veja também

Tijolo Verde13/10/17Tecnologias são colocadas em prática para gerar soluções com menor impacto ambiental dentro da construção civil. Por Carol Bonamigo Extração de matéria prima da natureza, produção de materiais, construção de edificações. Esses são apenas alguns dos inúmeros processos que requerem para a construção civil. Inegavelmente um dos setores fundamentais na economia brasileira – empregando cerca de 13 milhões de pessoas,......
Febre Amarela causa preocupação no Brasil25/01/18São Paulo segue com maior número de casos, com 61 confirmados. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 130 casos de febre amarela no País, sendo que 53 vieram a óbito, no período de 1º julho de 2017 a 23 de janeiro de 2018. No mesmo período do ano anterior,......
Consumo Colaborativo27/07/17Baseado em ajuda mútua e responsabilidade socioambiental, esse novo tipo de consumo tem em sua essência o compartilhamento e a troca de experiências. O consumo consciente é tido como uma prática sustentável que permite o reaproveitamento do produto para a mesma ou outra finalidade. Sem uma estrutura de oferta e demanda rígida e limitada, sem uso de moeda fixa, o comércio......

Voltar para NOTÍCIAS