Postado em 25 de Março de 2020 às 15h49

Covid-19. Façamos a nossa parte

Neste momento, para desacelerar a transmissão do novo coronavírus, precisamos agir de forma solidária e racional.

Rafaela Mafaciolli, médica infectologista pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (RS), afirma que, basicamente, as medidas de prevenção são as mesmas da influenza. A melhor maneira de prevenir a doença é evitar exposição ao vírus. É preciso incorporar ao cotidiano ações que ajudem a prevenir a propagação de doenças respiratórias. Seguir a chamada “etiqueta” ou higiene da tosse e do espirro é fundamental. Estevão Portela, vice-diretor de ensino do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), comenta que a “a lavagem das mãos é um dos aspectos mais importantes para combater o surto de coronavírus. Embora o álcool em gel seja importante, o uso de água e sabão já é eficiente para combater o vírus. Isso serve para qualquer coisa, em qualquer época e para qualquer epidemia. A lavagem das mãos é um aspecto extremamente importante.”

Existem diferentes quadros clínicos da doença e até o momento, não há nenhum medicamento específico indicado para prevenir ou tratar a infecção pelo novo coronavírus, afirma Rafaela Mafaciolli: “Pessoas infectadas com o vírus devem receber cuidados adequados para aliviar e tratar os sintomas, e aqueles com evolução para o quadro grave devem contar com suporte hospitalar otimizado. O Covid-19 é uma doença causada por vírus, portanto, os antibióticos são usados quando ocorre coinfecção bacteriana. Alguns tratamentos específicos estão sob investigação e serão testados através de ensaios clínicos”, explica.

O Ministério da Saúde antecipou a campanha de vacinação contra gripe para auxiliar os profissionais a descartarem influenzas na triagem e acelerarem o diagnóstico para o novo coronavírus, esclarece Rafaela Mafaciolli. Infectologista do INI, Estevão Portela, reforça a necessidade de vacinação contra a gripe: “a influenza já está entre nós causando muito mais problemas há anos. Existem viroses respiratórias graves há muito tempo e talvez não estejamos fazendo o suficiente para evitar a sua disseminação.”

A comunidade médica internacional é taxativa: Lavar as mãos é uma ação simples, pouco onerosa e eficaz para prevenir a transmissão do vírus. Apesar disso, não costuma ser um hábito. Porém, se quisermos atenuar a disseminação de doenças infecciosas, nos proteger e cuidar do próximo, teremos de começar por isso. Façamos a nossa parte.

Veja também

Campanha visa conter avanço de HIV em homens01/03/19Dados apontam que 73% dos casos de HIV ocorrem em homens. Campanha visa conscientizar e estimular o uso do preservativo para prevenção de doenças. “Pare, pense e use camisinha”. Esse é o slogan da Campanha de Carnaval lançada pelo Ministério da Saúde. A ação visa conscientizar os foliões que irão pular Carnaval por todo País. A ideia é estimular o uso do preservativo, principalmente entre os homens na faixa etária de 15 a 39 anos. Entre as novidades para esse ano,......
Aumentam os focos de Aedes aegypti em Santa Catarina16/08/17Boletim epidemiológico aponta aumento de casos de febre de chikungunya no estado. Foto: Eduardo Seidl | Palácio Piratini O número de focos do mosquito Aedes aegypti vem crescendo em Santa Catarina. Em apenas 15 dias, 121 novos focos foram identificados no estado, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado......
São Paulo reduz o consumo de água em 15%06/03/18Dois anos após fim do racionamento, moradores da Região Metropolitana Paulista incorporaram medidas no dia a dia que ajudaram a diminuir o consumo. Os moradores da Grande São Paulo estão consumindo 15% menos água hoje do que há quatro anos, segundo dados divulgados pela Companhia Estadual de Saneamento Básico (Sabesp). Em fevereiro de 2014 houve o início da......

Voltar para NOTÍCIAS