Postado em 25 de Março de 2020 às 15h49

Covid-19. Façamos a nossa parte

Neste momento, para desacelerar a transmissão do novo coronavírus, precisamos agir de forma solidária e racional.

Rafaela Mafaciolli, médica infectologista pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (RS), afirma que, basicamente, as medidas de prevenção são as mesmas da influenza. A melhor maneira de prevenir a doença é evitar exposição ao vírus. É preciso incorporar ao cotidiano ações que ajudem a prevenir a propagação de doenças respiratórias. Seguir a chamada “etiqueta” ou higiene da tosse e do espirro é fundamental. Estevão Portela, vice-diretor de ensino do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), comenta que a “a lavagem das mãos é um dos aspectos mais importantes para combater o surto de coronavírus. Embora o álcool em gel seja importante, o uso de água e sabão já é eficiente para combater o vírus. Isso serve para qualquer coisa, em qualquer época e para qualquer epidemia. A lavagem das mãos é um aspecto extremamente importante.”

Existem diferentes quadros clínicos da doença e até o momento, não há nenhum medicamento específico indicado para prevenir ou tratar a infecção pelo novo coronavírus, afirma Rafaela Mafaciolli: “Pessoas infectadas com o vírus devem receber cuidados adequados para aliviar e tratar os sintomas, e aqueles com evolução para o quadro grave devem contar com suporte hospitalar otimizado. O Covid-19 é uma doença causada por vírus, portanto, os antibióticos são usados quando ocorre coinfecção bacteriana. Alguns tratamentos específicos estão sob investigação e serão testados através de ensaios clínicos”, explica.

O Ministério da Saúde antecipou a campanha de vacinação contra gripe para auxiliar os profissionais a descartarem influenzas na triagem e acelerarem o diagnóstico para o novo coronavírus, esclarece Rafaela Mafaciolli. Infectologista do INI, Estevão Portela, reforça a necessidade de vacinação contra a gripe: “a influenza já está entre nós causando muito mais problemas há anos. Existem viroses respiratórias graves há muito tempo e talvez não estejamos fazendo o suficiente para evitar a sua disseminação.”

A comunidade médica internacional é taxativa: Lavar as mãos é uma ação simples, pouco onerosa e eficaz para prevenir a transmissão do vírus. Apesar disso, não costuma ser um hábito. Porém, se quisermos atenuar a disseminação de doenças infecciosas, nos proteger e cuidar do próximo, teremos de começar por isso. Façamos a nossa parte.

Veja também

Confirmado primeiro caso autóctone de chikungunya em SC09/03/18DIVE confirma primeiro caso autóctone de febre chikungunya em Santa Catarina. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) confirmou o primeiro caso autóctone de febre chikungunya em uma pessoa residente no município de Cunha Porã, na Microrregião Oeste de Santa Catarina.O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Segundo a......
É preciso saber viver MAIS25/09/19 A idade que chega não é problema para quem faz o que gosta. O desafio é ter condições físicas e mentais para envelhecer bem Angela Piana Já que um dia a idade chega para todos, então, que seja......
Hospital Florianópolis realiza captação de múltiplos órgãos05/04/18Procedimento permitirá que rins, pâncreas, fígado e coração de um paciente sejam direcionados para quatro pessoas que aguardavam na fila por um órgão. O Hospital Florianópolis (HF) realizou na manhã desta quarta-feira (4), uma captação inédita de múltiplos órgãos para transplante. O procedimento permitirá que rins, pâncreas, fígado......

Voltar para NOTÍCIAS