Postado em 09 de Julho às 13h35

A revolução das hortas!

Inovação (15)

Horta urbana em Curitiba (Daniel Castellano)

Projeto de Agricultura Urbana permite plantio em calçadas e espaços públicos e privados em Curitiba. Já são 112 hortas e 1.000 agricultores urbanos em 20 hectares de cultivo dentro da cidade

Keli Magri

O que começou com uma notificação da Prefeitura por plantio irregular em espaço público se transformou no maior projeto de Agricultura Urbana do país. Um pé de bananeira e algumas hortaliças plantadas no recuo da calçada deram origem a expansão de hortas comunitárias dentro do perímetro urbano e iniciaram uma transformação social e ambiental na capital paranaense, Curitiba.

Ricardo Leinig lembra muito bem como tudo começou, ainda em 2017. O biólogo e ativista da agricultura urbana teve a ideia de fazer uma horta no espaço ocioso de uma calçada, que avistava da sua janela, no bairro Cristo Rei. A pequena área, em frente a um terreno baldio, numa rua pouco movimentada, tinha espaço de terra vazio entre a calçada e o muro do terreno e era perfeita para o plantio.

“Em todos os lugares que passei, sempre tive esse hábito de plantar. Quando olhei pela janela e vi aquela área ociosa, com cara de abandonada, pensei ‘vou começar a plantar ali’. Depois, falei com o dono do terreno e ele consentiu e aí foram aparecendo pessoas interessadas perguntando se podiam plantar também. Eu disse que seria uma horta comunitária e que o espaço era público, portanto, de todo mundo”.

Porém, uma denúncia anônima mudou o cenário. A Prefeitura alegou que o passeio público só permitia o plantio de grama e a construção de calçada, e vedava o cultivo de plantas por obstruir a passagem, o que resultou em uma notificação ao dono do terreno por plantio irregular.

“A partir disso, procuramos todos os órgãos públicos para justificar que a legislação permite áreas de paisagismo nos passeios e que a horta não estava obstruindo a passagem. Fizemos um abaixo-assinado com quatro mil assinaturas pedindo a manutenção da horta. Todos os coletivos de hortas da cidade e ativistas ambientais se uniram e fizemos uma grande mobilização que ganhou visibilidade na imprensa e apoio da população”, conta Ricardo.

Os protestos também despertaram a atenção do poder público que acabou revendo sua posição e suspendendo as notificações para estudar uma maneira de regularizar a atividade. Surgia aí o projeto de Agricultura Urbana de Curitiba, construído de forma integrada pela sociedade civil, Legislativo e Executivo, com a inclusão do cultivo em espaços públicos. Da mudança de postura para a consagração das hortas, a evolução foi rápida. Atualmente, na capital paranaense, já são 27 hortas comunitárias, 85 hortas em escolas, 1.000 agricultores urbanos e 20 hectares de cultivo dentro da cidade, quase metade de todo território urbano de Curitiba (43,2 hectares ou 432 km²).

“É uma mudança de paradigma que está apontando lá no horizonte a volta do equilíbrio entre produção e consumo nas cidades. Afinal, são os hábitos urbanos de consumo que causam a degradação do meio ambiente. Aproximar natureza e cultura urbana é mudar isso”, defende Ricardo.

A regulamentação do sistema de agricultura urbana em Curitiba contempla hortas urbanas (hortaliças sem agrotóxicos), jardinagem urbana (plantas alimentícias não convencionais), silvicultura urbana (árvores frutíferas nativas) e meliponicultura (produção de mel por abelhas sem ferrão, que produzem mel de melhor qualidade e de valor maior de mercado). A produção com incentivo público recebe acompanhamento da Prefeitura e de quatro universidades: Universidade Federal de Curitiba (UFPR), PUC-PR, Instituto Tecnológico e Educacional de Curitiba (ITECNE) e Universidade Positivo.

Moradores se engajam

A sete quadras da horta comunitária na calçada do bairro Cristo Rei, a pesquisadora e uma das voluntárias do projeto, Ana Carolina Benelli, participou de todo o processo de implantação da horta e vê o crescimento da agricultura urbana em Curitiba como uma das bases para o desenvolvimento. Já são 50 voluntários que ajudam a manter a horta e se beneficiam do plantio.

“A cidade é feita de gente e por isso é importante mesclar o espaço urbano com espaços verdes comunitários. Estar mais em contato com a natureza, mexer com hortas, poder comer alimentos mais saudáveis é algo que dá prazer”, lança ela, que não abre mão de verduras e legumes diretos da horta e que vê a cidade se transformar com a ação.

“Essa rua era pouco movimentada e relativamente perigosa, porque ela dá para a rodovia e está entre a linha verde e a principal rua do bairro. Com a horta, a rua ganhou movimento, se tornou mais segura, além de unir e alimentar os moradores”.

Outro adepto da ideia e ativista agroecológico é o gestor comercial e morador do bairro Bom Retiro, Guilherme Scharf. Ele é um dos idealizadores e voluntários da Horta Comunitária Jacú, em funcionamento há um ano e meio em um terreno baldio do bairro. Guilherme juntou um grupo de amigos e transformou o terreno ocioso de 300 m² em um espaço de lazer para crianças e para produção agroecológica com a horta comunitária. Metade do terreno está equipado com brinquedos para os pequenos e a outra metade abriga a horta agroflorestal, mais voltada a árvores frutíferas e plantas não convencionais.

“Além de integrar campo com cidade, percebemos um grande avanço na questão envolvendo os resíduos. São toneladas a menos de lixo produzido, porque grande parte dele é usado pelos moradores no processo de compostagem e vira adubo para a horta. É um projeto social, educacional, de meio ambiente e segurança alimentar”.

É o que aponta na prática Luca Rischbieter, ativista do Parque Gomm, primeiro parque comunitário de Curitiba que também é precursor do projeto de hortas comunitárias na Capital.

“Eu moro num apartamento no bairro Batel e toda semana levo meu lixo orgânico para compostagem no Parque. Já reduzi 90% do lixo produzido. A agricultura urbana é uma realidade mundial e transforma a cidade”.

Desta forma, o que era uma iniciativa dos moradores se transformou em uma ferramenta pública estratégica de segurança alimentar e de sustentabilidade no município.

“O que acontece é educação ambiental transversal. Ao mesmo tempo em que se produz alimento, há o aproveitamento dos resíduos para compostagem, doação para associações e entidades sociais quando há excesso de produção, cooperação e cidadania entre os moradores na organização das hortas e ocupação dos espaços públicos e privados abandonados. Temos uma cidade sustentável, com menos espaços vazios e com maior qualidade de vida”, reverbera o secretário de Agricultura e Abastecimento (Smab) de Curitiba, Luiz Gusi, ao ressaltar que o município chegou a mudar o nome da pasta para Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional, tamanha importância do projeto regulamentado agora em 2019.

Projeto premiado

A partir da organização das hortas pelas comunidades, surgiu em Curitiba outro projeto de jardinagem urbana que viabilizou a venda de plantas alimentícias não convencionais (PANCs) para restaurantes da alta gastronomia. Chamado de Horta do Chef, o programa garantiu produtos frescos para os restaurantes e recursos aos agricultores para a manutenção das hortas e foi premiado em 2018 em Barcelona como uma das maiores ações de sustentabilidade do mundo.

O projeto ficou entre os quatro finalistas na categoria Ambiente Urbano, do World Smart City Awards, a maior premiação internacional de cidades inteligentes. São quatro hortas e 10 variedades de PANCs comercializados por 10 restaurantes na cidade. 

Horta Cristo Rei

Agricultura urbana une comunidade em Curitiba

Veja também

Cientistas tentam eliminar substância cancerígena de potes de plástico08/08/17Processo químico simples, barato e seguro promete filtrar Bisfenol A. O Bisfenol A (da sigla em inglês BPA) é um poluente encontrado em diversas embalagens plásticas utilizadas cotidianamente, como potes plásticos, escovas de dente e até mamadeiras. Antes que fossem evidenciados os riscos que tal substância pode acarretar à saúde humana, seu uso foi inserido pelas indústrias e até hoje muitos consumidores desconhecem......
Grupo Servioeste fecha parceria de negócios com o RIOgaleão01/08/18Unidade Matriz recebe a visita da diretoria do Aeroporto Internacional Tom Jobim. Em julho, os diretores do Grupo Servioeste se reuniram com equipe técnica do RIOgaleão – Aeroporto Internacional Tom Jobim, do Rio de Janeiro. A visita à unidade matriz do Grupo Servioeste, em Chapecó (SC), tratou de uma nova......
Enel inicia operação de Parque Solar na Bahia19/02/18Parque solar com 330 mil painéis inicia operação na Bahia A Enel, por meio de sua subsidiária de energias renováveis Enel Green Power Brasil (“EGPB”), iniciou operação de seu parque solar Horizonte (103 MW), localizado no município de Tabocas do Brejo Velho, no estado......

Voltar para NOTÍCIAS