Postado em 25 de Setembro de 2019 às 08h40

A floresta que fabrica chuva

Resp. Ambiental (31)

Rios voadores gerados pelas árvores da Amazônia carregam 20 bilhões de toneladas de água por dia e representam a evolução da vida com a atmosfera. Por outro lado, desmatamento provoca mudanças climáticas e coloca em risco o abastecimento no Brasil

Keli Magri

Uma árvore consegue absorver mais de três mil litros de água de chuva, capazes de reduzir a contaminação dos lençóis freáticos em 7%. Em um ano, uma árvore consegue absorver 22 quilos de gás carbônico e produzir oxigênio suficiente para a respiração de dois adultos. Se uma delas tem tanto impacto no planeta, você seria capaz de mensurar o resultado de 400 bilhões?

Este é o número de árvores que compõem a Floresta Amazônica, maior floresta tropical do mundo, que abrange 40% do território brasileiro, 5.500.000 km² de área, e é responsável por 20% da água doce do planeta. Toda essa imensidão verde não é apenas área de preservação, mas uma floresta que funciona como uma usina de serviço ambiental, um irrigador da atmosfera capaz de fabricar chuva e manipular o clima.

A explicação é aparentemente simples. Mesmo distante 3.000 quilômetros, as árvores da floresta puxam a umidade do oceano, fonte primordial de toda a água. A circulação atmosférica entra na floresta, provoca chuva, parte da água é infiltrada e outra parte volta para a atmosfera. Ao alcançar o lençol freático, a água é bombeada pelas raízes das árvores até as folhas, evapora e permanece na atmosfera em forma de umidade. É essa umidade que forma os chamados rios voadores, núcleos de condensação de nuvens que cruzam a região norte, batem na Cordilheira dos Andes e desviam rumo ao Sul do Brasil, levando a chuva para quase todo o País.

De acordo com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), cada árvore da Amazônia alcança copa de 20 metros e chega a produzir mais de mil litros de água por dia. Isso corresponde a 20 bilhões de toneladas de água por dia gerados pela floresta, volume superior ao tamanho do Rio Amazonas, maior do País, que coloca 17 bilhões de toneladas de água diárias.

É por isso que a Floresta Amazônica é considerada uma fonte de umidade que, além de “fabricar” a própria chuva, exporta água para a região centro sul da América do Sul, que vai de Cuiabá a Buenos Aires, São Paulo a Cordilheira dos Andes. Essa região que forma um quadrilátero é verde e úmida e responde por 70% do PIB (Produto Interno Bruto) da América do Sul. No Brasil, as regiões mais beneficiadas pelos rios voadores são o Centro-Oeste, Sudeste e o Sul.

“O ar sobre a Amazônia é tão limpo de partícula, de poeira, quanto o ar no oceano e do oceano. E no oceano é semideserto, quase não chove. O que tem na Amazônia? Fonte de umidade. E o que faz chover? As folhas das árvores que tem compostos que evaporam e vão para a atmosfera. O que foi descoberto é que esses vapores produzem uma reação e precipitam na forma de poeira. Essas partículas são chamadas de aerossóis atmosféricos ou núcleos de condensação de nuvens, ou seja, a floresta Amazônia fabrica sua própria chuva. É uma evolução da vida com a atmosfera. Além de produzir umidade para si mesma, a floresta produz rios voadores, que explicam a região ser verde e úmida. É neste quadrilátero onde estão as hidrelétricas, a agricultura forte, indústria e grandes centros”, destaca Antonio Donato Nobre, engenheiro agrônomo, cientista e pesquisador titular do INPE.

Desmatamento altera clima e ameaça abastecimento

Se por um lado, esse curso d’água invisível que circula pela atmosfera e se dispersa por todo o continente sul-americano é um fator determinante para a sustentabilidade do planeta, por outro, o contínuo desmatamento da Floresta Amazônica coloca toda a cadeia em risco.

De acordo com o pesquisador do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Lincoln Muniz Alves, os 8 mil km² desmatados da Amazônia destruíram 200 bilhões de árvores e já provocaram o aumento das temperaturas no Brasil, especialmente na região Sul. Além da mudança climática em curso, se não freado, o desmatamento pode destruir os rios voadores e impactar na produção agrícola, na saúde pública e no abastecimento de água do Brasil.

“O desmatamento da Amazônia impacta diretamente no clima, que já está mudando. Temos uma temperatura média global maior próximo a superfície, cujo aquecimento deve ultrapassar em 2.100 o limite de 2°C. Na região Sul do Brasil, a temperatura já aumentou e provoca mudanças no ciclo sazonal da chuva, impactando diretamente na mobilidade urbana, com enchentes nas cidades. Se aumentar o desmatamento, este impacto pode resultar em mais chuvas no Sul e temperaturas ainda maiores, combinação que, na agricultura, resultaria na antecipação do afloramento do arroz e alteraria a irrigação e o crescimento do cereal. Na saúde, teremos o aumento de doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti, transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya. Não se trata de uma projeção, o cenário é realmente pessimista”, alerta o pesquisador.

“A Amazônia já teve 600 bilhões de árvores, agora tem 400 bilhões. Se o desmatamento continuar, os rios voadores vão morrer. Estamos transformando uma usina de serviço ambiental em gás”, acrescenta o cientista do INPE, Antonio Donato Nobre.

Para os pesquisadores, a solução do problema na Floresta Amazônica exige mudança de comportamento e integração de todos os estados brasileiros no debate da preservação.

“O que acontece na Amazônia reflete no Brasil inteiro, especialmente no Sul. Por isso é importante olharmos para o todo, não só para o local, porque tudo está relacionado. Em 2050, seremos 10 bilhões de pessoas no mundo consumindo alimentos, energia, água. Como vamos manter o quebra-cabeça da sustentabilidade? É uma questão de comportamento. Precisamos induzir a uma mudança de comportamento humano”, ressalta Lincoln Muniz Alves ao defender que “mudanças são questões de oportunidade, não de catástrofe”.

“Devemos olhar mais para a sustentabilidade, prevenção, integração das regiões, engajamento da sociedade se reconhecendo como parte do problema. Todos os estados devem criar uma base de dados para quantificar as informações e rever vulnerabilidades expostas às mudanças. Não se pode usar a incerteza como inação. Devemos institucionalizar o debate, especialmente na gestão pública”. 

Veja também

Terras Secas16/04/18Escassez de água em regiões brasileiras causa preocupação e estimula novos projetos para levar frescor às comunidades semiáridas do País. Por Carol Bonamigo Apesar do Brasil ser detentor de 13% da água doce superficial do planeta, quase 900 cidades já apresentavam situações de emergência reconhecidas pelo Governo Federal, entre janeiro e março de 2017, por um longo período de estiagem. O estado da Paraíba, no Nordeste, foi o mais afetado, com 198 municípios registrados junto à......
Pará terá primeiro viaduto do País para travessia da fauna26/06/17Como uma ponte para ajudar a passagem da vida selvagem com segurança pelas vias, projeto visa diminuir o atropelamento de animais. Visando reduzir o número de atropelamentos de animais nas rodovias, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu uma determinação a favor da Licença de Instalação......
Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas......

Voltar para NOTÍCIAS