Postado em 26 de Outubro de 2017 às 16h38

SC regulamenta uso de agrotóxicos

Resp. Ambiental (35)

Governo de Santa Catarina assina decreto que regulamenta uso de agrotóxicos.

O governador Raimundo Colombo e o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa participaram do ato de assinatura do decreto número 1.331 que lança o novo marco regulatório dos agrotóxicos no estado.

O documento regulamenta o controle da produção, comércio, uso, consumo, transporte e armazenamento de agrotóxicos, seus componentes e afins, em todo o território de Santa Catarina. Trata também da fiscalização da produção, da manipulação, da destinação final das embalagens vazias e do monitoramento de resíduos de agrotóxicos e afins em produtos vegetais. Prevê que todo o processo de cadastro e registro passe a ser feito de maneira informatizada. E passa a responsabilidade da fiscalização do uso de agrotóxicos, que antes era da Fundação do Meio Ambiente (Fatma), para a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). “O decreto é uma forma de normatizar o setor, garantindo produtos mais seguros para a população e cuidando da saúde dos nossos produtores e também do meio ambiente”, avaliou Sopelsa.

Os principais avanços deste decreto

  • A mudança no órgão responsável pela fiscalização do uso de agrotóxicos em Santa Catarina, passando da FATMA para CIDASC essa atribuição, porém, ficando a FATMA responsável pelos casos onde haja crimes ambientais relacionados ao uso desses produtos;
  • A regulamentação da adoção de sistemas informatizados que visam diminuir a burocracia quanto aos registros de empresas, cadastro de agrotóxicos e principalmente no envio de informações obrigatórias aos órgãos competentes como a receita agronômica e o controle de estoque;
  • A regulamentação clara das responsabilidades e deveres de todos os agentes envolvidos nos processos que envolvam os agrotóxicos, corrigindo distorções e falhas do decreto anterior;
  • A flexibilização na aplicação de sanções administrativas levando em conta os atenuantes e agravantes da situação posta e da condição socioeconômico cultural dos envolvidos.

Veja também

Consumo Colaborativo27/07/17Baseado em ajuda mútua e responsabilidade socioambiental, esse novo tipo de consumo tem em sua essência o compartilhamento e a troca de experiências. O consumo consciente é tido como uma prática sustentável que permite o reaproveitamento do produto para a mesma ou outra finalidade. Sem uma estrutura de oferta e demanda rígida e limitada, sem uso de moeda fixa, o comércio é realizado por meio de empréstimo, aluguel ou troca. Dessa forma, é possível adquirir um serviço e/ou tirar proveito da......
RS lança sistema online de Manifesto de Transporte de Resíduos16/04/18Ferramenta digital de controle de cargas está disponível no site da Fepam. O novo sistema online de Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR) entrou no ar no final de janeiro no Rio Grande do Sul. Desde então, geradores, transportadores e destinadores devem usar a internet para informar dados sobre a......
Tampinhas do bem!20/01/20 Em vez de irem para o lixo, tampas de plástico subsidiam ações de proteção animal em iniciativas de ONGs e associações Brasil afora Por Angela Piana A Organização Mundial da Saúde......

Voltar para NOTÍCIAS