Postado em 16 de Abril de 2018 às 16h02

Terras Secas

Resp. Ambiental (31)

Escassez de água em regiões brasileiras causa preocupação e estimula novos projetos para levar frescor às comunidades semiáridas do País.

Por Carol Bonamigo

Apesar do Brasil ser detentor de 13% da água doce superficial do planeta, quase 900 cidades já apresentavam situações de emergência reconhecidas pelo Governo Federal, entre janeiro e março de 2017, por um longo período de estiagem. O estado da Paraíba, no Nordeste, foi o mais afetado, com 198 municípios registrados junto à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), naquele período. Já Brasília, por exemplo, enfrentou, no ano passado, a maior escassez de água desde a sua fundação.

De acordo com o Sebrae, 17% das pequenas e microempresas sofreram com os impactos da crise hídrica de 2017, e um estudo do Serviço aponta que 31% dos pequenos negócios devem ser afetados pela falta de água em 2018. O impacto deve ser maior nos empreendimentos das regiões do Distrito Federal (53%), Goiás (55%) e Centro Oeste (44%).

As apurações deixam em sinal de alerta. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 1,8 bilhões de pessoas no mundo usam fontes de água contaminada. Já a Organização das Nações
Unidas (ONU)
afirma que o planeta enfrentará um déficit de 40% no abastecimento de água potável em 2030.

Movidas pela escassez iminente de recursos hídricos, inúmeras iniciativas vêm ganhando força para levar água potável a quem necessita. É o caso da Waves for Water, criada pelo surfista Jon Rose que, desde 2009, viaja com sua equipe a comunidades carentes para ensinar a população como utilizar filtros especiais desenvolvidos pelo exército norte-americano, para transformar água suja em potável. O projeto já alcançou mais de 7 milhões de pessoas em 27 países – incluindo Indonésia, Nicarágua, Haiti, Índia e até o Brasil.

Outro programa é o Aqua: Water4Health, da ONG Mundo A Sorrir, em parceria com a Águas do Porto, o Instituto Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto, a DTE e a Engenho e Rio, cuja primeira missão foi realizada na região da Macia, Província de Gaza, em Moçambique.

O projeto prevê a construção de infraestruturas e equipamentos capazes de transportar água potável às comunidades, a capacitação dos profissionais locais, a sensibilização da população sobre a importância do acesso e o cuidado com água potável e o saneamento básico.

Unindo forças

Estima-se que haja atualmente 35 milhões de brasileiros que não têm acesso a água potável, sendo a maior parte deles localizada no semiárido. Nesta região, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, famílias perdem até seis horas por dia buscando água. Visando ajudar essas comunidades, há dois anos a Ambev lançou a água AMA, expandindo seus programas de preservação e uso consciente deste precioso líquido.

A marca destina 100% de seu lucro para projetos que levam água às famílias da região mais seca do País, atingindo R$1 milhão em lucro de vendas já em seu primeiro ano. Mais de 6 mil pessoas foram beneficiadas com a construção de poços para captação de água ou adutora, além de uma mini usina gerada por sistema fotovoltaico para distribuição da água a um baixo custo. “Isso abre portas para a melhora na qualidade de vida destas famílias. Já temos planos para sete novas comunidades, além de incentivos para projetos inovadores de acesso à água desenvolvidos por empresas juniores e startups”, comemora Carla Crippa, diretora de Sustentabilidade da Ambev e cocriadora da AMA. “Este resultado mostra que os consumidores brasileiros estão abertos a produtos com causas sociais”, complementa.

Desta forma, a cervejaria contribui para que o sexto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU seja concretizado: garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos. “A AMA não vai só financiar projetos que aumentem o acesso à água potável, mas vai, também, ser uma forma de conscientizar mais pessoas, de trazer atenção para esse problema, de conectar as pessoas que vivem hoje em um mundo tão polarizado e individualizado”, diz Renato Biava, diretor de sustentabilidade da Ambev.

Atuando para recuperar e preservar as principais bacias hidrográficas do Brasil, em 2010, a Ambev lançou o Projeto Bacias. Em 2015, a cervejaria ampliou esse trabalho e anunciou a participação na Coalizão Cidades pela Água, uma iniciativa liderada pela ONG The Nature Conservancy, que pretende aumentar a disponibilidade de água para mais de 60 milhões de brasileiros.

Veja também

Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas residências e restaurantes de Brasília. Assim, os resíduos orgânicos que antes eram enviados aos lixões e aterros sanitários, agora......
Fim dos canudinhos15/05/19Santa Catarina proíbe uso de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais A partir de 15 de maio de 2020, os estabelecimentos comerciais de Santa Catarina não poderão mais usar canudos plásticos entre seus utensílios de serviço aos clientes. A Lei 17.727 sancionada no dia 13 de maio deste ano......
Consumo Colaborativo27/07/17Baseado em ajuda mútua e responsabilidade socioambiental, esse novo tipo de consumo tem em sua essência o compartilhamento e a troca de experiências. O consumo consciente é tido como uma prática sustentável que permite o reaproveitamento do produto para a mesma ou outra finalidade. Sem uma estrutura de oferta e demanda rígida e limitada, sem uso de moeda fixa, o comércio......

Voltar para NOTÍCIAS