Postado em 23 de Abril de 2018 às 15h01

Semana Mundial de Alergia alerta para as dermatites atópicas

Vida Saudável (28)

Doença crônica pode estar relacionada a alergias respiratórias.

Inicia nesta segunda-feira (23), a Semana Mundial de Alergia – promovida pela Organização Mundial de Alergia (WAO) –, que traz como tema em 2018 a atenção às dermatites atópicas. Esta doença crônica inflamatória afeta cerca de 2 milhões de brasileiros, provocando coceiras e erupções, comprometendo a qualidade de vida do paciente.

Apesar de ser uma enfermidade relacionada à pele, tem forte ligação com as alergias respiratórias. “Geralmente, a dermatite atópica precede a asma e a rinite – dois a cada três pacientes apresentam quadros associados – e a prevalência de alergias respiratórias é muito maior entre pessoas com dermatite atópica, chegando a 45%”, explica o otorrinolaringologista Dr. Rodrigo Kohler.

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente Um estudo realizado na Austrália pelas universidades de Melbourne e Monash, em parceria com o Instituto de Pesquisa Menzies, mostrou que pacientes que sofriam de eczema na infância tinham...

Um estudo realizado na Austrália pelas universidades de Melbourne e Monash, em parceria com o Instituto de Pesquisa Menzies, mostrou que pacientes que sofriam de eczema na infância tinham uma propensão 70% maior de desenvolver asma até a idade adulta, em comparação com as que não foram atingidas pela dermatite. Entre os adolescentes, o número saltava para 114%. Observou-se também que se sofrem os brônquios, sofre também o nariz. Cerca de 80% dos pacientes com asma já enfrentaram crises de rinite. “O termo ‘atopia’ significa que há uma predisposição genética por trás de uma hipersensibilidade do organismo a alérgenos ambientais, como poeira, ácaros, baratas e pólen. Essa reação pode irromper na pele e/ou nas vias respiratórias”, esclarece Dr. Rodrigo.

Além de tratar e fortalecer a parte respiratória, pacientes que apresentarem quadros de eczema atópico devem procurar reforçar a barreira cutânea, com cremes e pomadas específicos. Em casos mais graves, pode-se exigir o uso de derivados da cortisona e outras drogas imunossupressoras administradas com o objetivo de inibir a resposta imunológica responsável pela agressão aos tecidos cutâneos. O mais indicado é buscar também um médico dermatologista e/ou imunologista para intensificar o tratamento.

Veja também

Diabetes: uma doença silenciosa22/12/17Pesquisa revela que diabetes cresceu mais de 50% na última década. Por Samara Grando O número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006, para 8,9% em 2017. O diabetes é uma doença crônica caracterizada pelo aumento da glicemia (glicose no sangue), que leva a sintomas como cansaço, excesso de sede e de urina, visão turva e emagrecimento......
Combate ao Alcoolismo18/02Dia marca a luta contra a dependência do álcool. Nesta segunda-feira (18), é o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo, lembrado como um dos principais problemas de saúde pública no Brasil. De acordo com o Instituto de Estudos em Saúde Coletiva – iNESCO, cerca de 15% da......
Febre Amarela causa preocupação no Brasil25/01/18São Paulo segue com maior número de casos, com 61 confirmados. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 130 casos de febre amarela no País, sendo que 53 vieram a óbito, no período de 1º julho de 2017 a 23 de janeiro de 2018. No mesmo período do ano anterior,......

Voltar para NOTÍCIAS