Postado em 22 de Dezembro de 2017 às 10h31

O lixo como adubo

Inovação (18)

Hospital Moinhos de Vento inova com projeto de compostagem acelerada.

Por Katiane Marques

Nascido da vontade de imigrantes alemães em reproduzir na capital gaúcha a qualidade das instituições de saúde da Europa, o Hospital Moinhos de Vento figura na seleta lista do Ministério da Saúde dos hospitais de excelência do Brasil e no ranking dos melhores hospitais da América Latina.

Com noventa anos de tradição - completados no último dia 2 de outubro – a história do Hospital Moinhos de Vento é marcada pela qualidade médico-assistencial e pela busca contínua em inovação e tecnologia de ponta aplicadas na saúde. O hospital foi o primeiro do país a filiar-se à Johns Hopkins Medicine International – um dos principais organismos na atenção e inovação em saúde dos Estados Unidos e foi certificado por seis vezes consecutivas pela Joint Commission International. Atualmente são 3.400 colaboradores e cerca de 3 mil profissionais no corpo clínico.

Como qualidade é um tema que se aplica em todas as áreas do Moinhos de Vento, o conceito de inovação chegou também na gestão ambiental que, inconformada com o descarte anual de toneladas de resíduos em aterros sanitários - além do alto custo para esse encaminhamento - é que foi desenvolvido o Projeto de compostagem acelerada dos restos alimentares.

Diariamente os pacientes, visitantes e colaboradores geram aproximadamente 500 quilos de sobras de alimentos. Quando a matéria orgânica não é tratada corretamente, ela pode ocasionar problemas ambientais como a geração de chorume, o aumento dos resíduos em aterros sanitários, além da contaminação do solo e dos animais em situação de rua que se alimentam de restos.

Para dar vida ao projeto, o hospital investiu cerca de 80mil reais em tecnologia desenvolvida e personalizada para atender a instituição. Através deste equipamento e com a ajuda de enzimas, calcário e serragem, a matéria é degradada em alta temperatura durante uma hora. Depois de cinco dias, ao final do processo, o resultado obtido é humus – adubo orgânico e natural que traz muitos benefícios ao solo e o principal deles é o melhoramento de suas propriedades físicas.

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente O processo natural de compostagem leva em torno de 90 dias para se obter um resultado satisfatório, enquanto que na compostagem acelerada desenvolvida pelo Hospital Moinhos o humus está...

O processo natural de compostagem leva em torno de 90 dias para se obter um resultado satisfatório, enquanto que na compostagem acelerada desenvolvida pelo Hospital Moinhos o humus está pronto em cinco dias e 500 quilos de restos alimentares se transformam em 200 quilos de húmus.

“Dentro do nosso conceito de sustentabilidade, tudo se transforma. Assim, o adubo orgânico retorna para dar vida ás flores do bosque e às culturas da nossa horta, que retornam como alimentos para o refeitório dos colaboradores com um sabor todo especial”, explica Rogério Almeida da Silva, responsável pela Gestão Ambiental do Hospital Moinhos de Vento.

Desde que o projeto entrou em prática, em dezembro de 2016, toda produção de húmus é absorvida pelo Hospital Moinhos que utiliza o insumo nos jardins, bosque e na horta orgânica. O bosque corresponde a 10% da área total do hospital. São aproximadamente 800 árvores de 86 espécies diferentes que abrigam cerca de 28 espécies de aves nativas e migratórias. Já a horta fornece temperos, hortaliças, chás e vegetais 100% orgânicos para o refeitório dos colaboradores. A produção do cultivo supri 65% da demanda do serviço de nutrição, mas a intenção é chegar a auto suficiência.

Atendendo aos princípios da filosofia de sustentabilidade do Hospital Moinhos, outros projetos inovadores também chamam a atenção. É o caso do bumerangue. Nesse projeto, os resíduos com alto poder reciclável como papel e plástico são transformados em insumo como papel higiênico e sacos de lixo que atendem a ala administrativa do hospital. Assim como no projeto de compostagem acelerada, o bumerangue também acontece nas dependências do hospital, transformando resíduos em insumos, diminuindo o impacto ambiental e gerando grande economia.

 

*Fotos: Critério Assessoria de Comunicação

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente - Projeto Compostagem Acelerada dos Restos Alimentares
Projeto Compostagem Acelerada dos Restos Alimentares

Veja também

Grupo Servioeste fecha parceria de negócios com o RIOgaleão01/08/18Unidade Matriz recebe a visita da diretoria do Aeroporto Internacional Tom Jobim. Em julho, os diretores do Grupo Servioeste se reuniram com equipe técnica do RIOgaleão – Aeroporto Internacional Tom Jobim, do Rio de Janeiro. A visita à unidade matriz do Grupo Servioeste, em Chapecó (SC), tratou de uma nova parceria entre as duas empresas. “A Servioeste já atua no RIOgaleão, na coleta e tratamento dos resíduos e, agora, o segundo maior......
Pequenos guerreiros!25/09/19 A cada dia surgem 32 novos casos de câncer infantil no Brasil. Apesar do drama vivido pelas famílias, a resposta ao tratamento da doença é melhor nesta fase da vida e as chances de cura são de 70% Angela......
Fortaleza terá ciclovia-modelo21/09/17Cidade já possui uma malha cicloviária de 214 quilômetros e conta com o Plano Diretor Cicloviário Integrado. Os ciclistas de Fortaleza terão um novo espaço de trânsito na capital a partir de um projeto-piloto elaborado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério das Cidades e a prefeitura da capital. A ciclovia-modelo,......

Voltar para NOTÍCIAS