Postado em 17 de Setembro de 2020 às 11h20

Nanotecnologia contra covid-19

Inovação (20)Especial (28)

Material plástico demonstrou ser capaz de eliminar 99,84% de partículas do novo coronavírus

O filme plástico adesivo para proteção de superfícies, como maçanetas, corrimãos, botões de elevadores e telas sensíveis ao toque, é capaz de inativar o novo coronavírus por contato. Lançado pela indústria de filmes de proteção de superfície Promaflex, o material possui micropartículas de prata e sílica incorporadas em sua estrutura, desenvolvidas pela Nanox, empresa de nanotecnologia, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Em testes feitos no laboratório de biossegurança do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), o material, à base de polietileno, demonstrou ser capaz de eliminar 99,84% de partículas do SARS-CoV-2 após dois minutos de contato.

“A norma técnica de medição da atividade antiviral em plásticos e outras superfícies não porosa, a ISO 21702, estabelece que o material tem que demonstrar essa ação em até quatro horas. O filme plástico com o aditivo mostrou ser capaz de atingir essa meta em um prazo muito menor e a ação virucida aumentou com o tempo”, diz Lucio Freitas Junior, pesquisador do ICB-USP.

“Como as micropartículas de prata e sílica são adicionadas na massa do plástico durante a produção, a ação antimicrobiana permanece durante toda a vida útil do material”, afirma Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox. A recomendação, porém, é de uso por até três meses para evitar desgaste por contato excessivo.

Máscara e tecido anti-covid

Em parceria com a fabricante de brinquedos Elka, a Nanox desenvolveu máscara reutilizável, feita com plástico flexível e aditivo aplicado na superfície, que promete maior proteção contra o novo coronavírus.

“As micropartículas de prata e sílica aumentam o nível de proteção ao impedir a presença na máscara de fungos e bactérias, que podem facilitar a adesão do novo coronavírus na superfície de materiais”, disse Luiz Gustavo Pagotto Simões, à FAPESP. No início de agosto a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu o registro do produto, permitindo o uso como equipamento de proteção individual (EPI).

As micropartículas de prata e sílica também foram aplicadas na superfície de tecido para o desenvolvimento de roupas anti-COVID-19. Em testes em laboratório, o material demonstrou ser capaz de inativar o SARS-CoV-2 também após dois minutos de contato. Além de testes para avaliação da atividade antiviral, antimicrobiana e fungicida, o material também passou por ensaios para avaliação do potencial alérgico, fotoirritante e fotossensível, para eliminar o risco de causar problemas dermatológicos.

Fonte: Agência FAPESP 

Veja também

Fatma usará drones no licenciamento ambiental23/11/17Técnicos da Fatma vão utilizar pela primeira vez drones no licenciamento ambiental. Técnicos da Fundação do Meio Ambiente (Fatma) vão utilizar pela primeira vez Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs), conhecidos como drones, no licenciamento ambiental. A ação ocorre nesta quinta-feira, 23, durante vistoria do Complexo Eólico Contestado, em Água Doce, região Oeste do Estado de Santa Catarina. “A Fatma foi......
Febre amarela: risco atual de infecção é grande14/07/20 A recusa em tomar a vacina facilita a transmissão e pode levar à morte Desde junho do ano passado, o número de macacos infectados pela febre amarela em São Paulo, Paraná e Santa Catarina levou o Ministério da......
Nutrição e informação16/10/20 Dia Mundial da Alimentação é celebrado desde 16 de outubro de 1981 A obesidade e outras formas de desnutrição afetam uma em cada três pessoas no mundo. As projeções indicam que essa......

Voltar para NOTÍCIAS