Postado em 09 de Abril de 2018 às 15h51

Curitiba espalha canteiros de hortaliças nas escolas

Educação Ambiental (16)

Hortas de escolas são laboratório vivo e estimulam a alimentação saudável.

A Prefeitura de Curitiba está espalhando canteiros repletos de hortaliças pela rede municipal de educação. Entre as 87 unidades com atividades de cultivo para os estudantes, 25 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) contam com o apoio dos técnicos da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab). São 6,6 mil crianças beneficiadas.

“As hortas são espaços que tornam possível uma alimentação saudável e criam ou resgatam os elos com o ciclo da natureza”, afirma o secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Luiz Gusi. No caso da experiência escolar com hortas, acrescenta a superintendente educacional da SME, Elisangela Mantagute, ainda é uma oportunidade para alunos e professores observarem e vivenciarem muitas das aprendizagens sobre os seres vivos, a sustentabilidade e a coletividade.

Laboratório Vivo

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente Laboratório Vivo Na Escola Municipal Curitiba Ano 300, no Bairro Alto, o espaço reservado para o cultivo de legumes, verduras e temperos serve como uma espécie de “laboratório...

Na Escola Municipal Curitiba Ano 300, no Bairro Alto, o espaço reservado para o cultivo de legumes, verduras e temperos serve como uma espécie de “laboratório vivo” para as turmas do 1º ao 5º anos do ensino fundamental.

“As atividades na horta têm impacto dentro das salas, melhorando a apresentação das aulas de ciências e abrindo a possibilidade do desenvolvimento de conteúdos interdisciplinares ligados a uma alimentação saudável e a temas relacionados à sustentabilidade”, explica a professora Maria Cristiane Zem, articuladora pedagógica da escola e responsável pela horta da escola.

Quase todos os dias, estudantes da Curitiba Ano 300 vão aos canteiros, junto à área de atividades pedagógicas, para ver o crescimento da pequena lavoura. As crianças, de 5 a 8 anos de idade, preparam a terra, plantam mudas, regam as plantas e, periodicamente, retiram ervas daninhas que nascem ao redor das hortaliças, garantindo o bom desenvolvimento do canteiro.

Além disso, avalia a professora, as atividades na horta contribuem para tornar os pequenos mais organizados e cuidadosos porque trabalham a interação e a cooperação. “Eles se ajudam muito. Há uma mudança, sim, do comportamento, e as crianças também começam a se alimentar melhor”, garante Maria Cristiane.

A estudante Julia Rodrigues, 8 anos, não gostava de comer muito alface e tomate. “Depois que comecei a experimentar a comida da horta, passei a gostar. Sempre peço para minha mãe também lá em casa”, conta a menina. Seu colega, Enzo Daniel Lepchak, 7 anos, afirma que gosta tanto de comer as hortaliças colhidas na horta como cultivar as mudas. “A gente vem sempre ver como está, põe água e fica acompanhando crescer. É muito legal”, justifica.

Apoio

Responsável pelo acompanhamento das hortas nas 25 escolas e CMEIs que têm apoio da Smab, o engenheiro agrônomo da Unidade de Agricultura Urbana da secretaria, Mário Takashima, conta que a ação conjunta com a Secretaria da Educação começa ainda no planejamento dos espaços. “Orientamos sobre os melhores locais para a implantação dos canteiros, levando em consideração a necessidade de luz, sombra e água, e também damos apoio periódico, inclusive, fornecendo as mudas necessárias nos períodos de replantio, como está ocorrendo agora em abril”, enumera o especialista.

Takashima participa, periodicamente, de atividades com os estudantes das escolas e CMEIs parceiros. “Eu estimulo as crianças a mexer com a terra, a plantar as mudas e a cuidar das plantas. Além disso, falo com os alunos sobre alimentação saudável e eles ficam muito encantados. É uma forma muito lúdica de estimulá-las a experimentar coisas novas”, avalia ele.

O engenheiro agrônomo da Smab ressalta que, além da questão do estímulo da alimentação saudável, outros aspectos ligados ao cultivo são postos em prática, como a produção do próprio adubo. “As crianças também aprendem como aproveitar melhor restos de alimento, como cascas de frutas, que iriam para o lixo e são usadas na compostagem (produção de adubo orgânico a partir de sobras), o que reduz impactos ambientais e dá novas perspectivas para a alimentação”, completa Takashima.

*Fonte: Prefeitura de Curitiba
**Fotos: Luiz Costa/SMCS

Veja também

Destino correto09/11/17Seminário traz exemplos de como inovar com resíduos sólidos. Pode parecer pouco, mas separar o lixo corretamente já é uma grande contribuição para o futuro do planeta. A terça-feira (07/11) foi um dia especial na Unochapecó para refletir essa e outras questões que envolvem o meio ambiente e a sustentabilidade. A Universidade sediou o 3º Seminário Regional de Resíduos Sólidos e mostrou que sim, é......
Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio09/06/17Uma agenda de desenvolvimento audaciosa, constituindo um conjunto integrado e indivisível de prioridades globais para o desenvolvimento sustentável. Em setembro do ano 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) promoveu a Cúpula do Milênio, na qual os presidentes de 189 países firmaram um compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio......
Mutirão recolhe cerca de 40 quilos de resíduos na Baixada Fluminense13/03Ação de educação ambiental, promovida pelo Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (Inea), aconteceu na APA do Alto Iguaçu Cerca de 50 voluntários, incluindo especialistas em esportes radicais e guias turísticos, participaram de um mutirão de limpeza nas cachoeiras da Área de Proteção Ambiental (APA) do Alto Iguaçu, localizada na......

Voltar para NOTÍCIAS