Postado em 27 de Janeiro às 15h05

Cultivo nas alturas em São Paulo

Gestão Pública (22)

Engenheiro e ecóloga criam primeira telha hidropônica do mundo

Angela Piana

Você é daqueles que sempre sonhou em ter um telhado verde na sua casa? Não falo só da ideia de colocar plantas para absorção da água da chuva e melhora da umidade e temperatura. Imagine ter telhas que permitem criar, em qualquer estrutura, um jardim, uma horta ou uma lavoura!? Isto tudo já é possível graças a uma invenção brasileira: as telhas hidropônicas, novidade no mundo, desenvolvidas em Itú, interior de São Paulo, pelo engenheiro agrônomo Sérgio Rocha e sua sócia, a ecóloga Fabiana Scarda. O desafio foi criar um telhado de simples instalação, fora do padrão convencional, sem a necessidade de cobertura de laje e impermeabilização.

“Apesar do potencial, os telhados verdes são menos de 1% das coberturas no mundo pela dificuldade de adequação estrutural que inviabiliza sua aplicação na maior parte das construções. Por isso, criamos um produto que não é um item a mais na edificação. A telha hidropônica é de fato um telhado, cumprindo com sua função de cobertura, porém, dispensa a instalação de mantas de impermeabilização ou outra forma de estanque. Sua fixação é feita sobre a estrutura base de qualquer tipo de telhado”, explica Sérgio.

A fabricação é feita em formato “sanduíche”, com duas telhas de fibra de vidro e resina plástica, contendo buracos onde são colocadas as plantas. A parte interna, o chamado recheio, é de poliuretano que poderá ser substituído em breve pelo isopor. Ainda na parte de dentro, há um caminho para a distribuição da água. Cada metro quadrado da telha hidropônica pesa 10kg, com capacidade para 45kg, considerando a água da irrigação e o peso da vegetação.

Outro diferencial da telha hidropônica é o sistema automatizado que permite ao “agricultor urbano” programar a irrigação e ainda monitorar a umidade, teor de adubação, consumo de água, temperatura e potencial hidrogeniônico (pH). Um sensor envia as informações que são acessadas em tempo real por meio de um aplicado digital. O sistema é inteligente e percebe, por exemplo, que é possível parar a irrigação quando chove.
Em cada metro quadrado de telha é possível cultivar até 20 mudas e as indicações são variadas, muito além dos tradicionais cultivos urbanos.

Como a intenção do projeto é a ampliação da escala de produção agrícola, é possível plantar tomates, abobrinhas, morangos, arroz, feijão, aveia, milho e trigo. O recorde de colheita até agora foi sete quilos de trigo produzidos em 35 metros quadrados.

“Com a telha hidropônica também é possível cultivar forrações e capins ornamentais, tanto para telhados verdes como para jardins verticais. Depois da colheita, a matéria orgânica que sobra é reaproveitada como adubo para o próximo cultivo”, detalha o idealizador do projeto.

“Em cada estação é possível ter uma cultura diferente. Seja um jardim, horta ou lavoura, a telha hidropônica permite colher e plantar quantas vezes você quiser, transformando a paisagem da sua casa”, acrescenta.

O novo sistema de cobertura vem sendo testando desde 2012 e só agora passou a ser comercializado. A telha hidropônica custa R$ 300 ao metro quadrado, com sistema de irrigação e plantas à parte. 

Veja também

O ar que você respira22/12/17A delicada relação entre a saúde humana e o meio ambiente. Por Carol Bonamigo Em 2014, o cineasta anglo-americano Christopher Nolan escreveu e dirigiu um aclamado filme de ficção científica. Em Interestelar, um futuro distópico não tão distante mostra um planeta Terra com terríveis problemas na agricultura, após uma praga dizimar boa parte das plantas existentes. O resultado disso é uma seca generalizada que......
Ceará vai usar água do mar para consumo27/03/18Plano é usar a dessalinização para abastecer cerca de 720 mil habitantes de Fortaleza a partir de 2020. A seca histórica que há seis anos não dá trégua à Região Nordeste levou o governo do Ceará a adotar uma medida extrema para garantir o abastecimento humano de água. O governo cearense decidiu......
Brasil diminui uso de substâncias que afetam camada de ozônio27/07/17Em compromisso com Protocolo de Montreal, País já eliminou 34% do consumo de Hidroclorofluorcarbonos, usados na produção de ar-condicionados e geladeiras. O Programa Brasileiro de Eliminação dos Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias que afetam a camada de ozônio, já possibilitou a retirada de 34% do consumo brasileiro desses elementos, cuja meta é de 35% para o ano......

Voltar para NOTÍCIAS