Postado em 16 de Abril de 2018 às 16h17

Coração em Alerta

Vida Saudável (34)

Hábitos saudáveis protegem o coração ao longo dos anos.

Por Samara Grando

Quando o assunto é saúde, logo é possível pensar em qualidade de vida, exercícios físicos, alimentação balanceada, medidas calóricas, medicamentos naturais, tudo isso voltado para que uma pessoa possa ter uma vida prolongada. Dificilmente associa-se ao sedentarismo. Os próprios especialistas alertam que para haver uma vida saudável deve existir equilíbrio. A má alimentação pode interferir gradativamente na qualidade de vida, a falta de exercícios pode levar a atrofiar os músculos e, muitas vezes, prejudicar até o funcionamento do cérebro.

Isso tudo acaba sendo demostrado no organismo, tanto por dentro como por fora. Foi o caso de Eneia Mateas, 65 anos. Foi preciso um grande susto para tornar o aposentado mais cuidadoso com a alimentação e adepto de exercícios físicos diários, após sofrer um enfarte há dois anos. “Quando acordei me senti imóvel, parado, como uma pedra. Aos poucos comecei a mexer meus dedos, foram dias terríveis que estive em tratamento”, conta.

Após 90 dias do ocorrido, ele passou a recuperar 90% dos seus movimentos, mas em seu corpo e no tom da sua voz é possível notar que há ainda sequelas do incidente. Toda vez que Eneia se lembra, se emociona tanto que nota-se as suas mãos trêmulas.

“Agarrei-me tanto em Deus, na minha esposa e nos conselhos do meu médico que, aos poucos, me recuperei. Mas foi demorado, doloroso, passei a usar medicamentos para a pressão arterial, para o coração, parei de fumar e precisei emagrecer para recuperar meus movimentos. E olha que ainda estou na luta”.

Mateas passou a frequentar uma nutricionista, se exercitar e fazer caminhadas todos os dias depois que voltou 90% do movimento das pernas. As caminhadas são pela manhã cedinho, em torno de 40 minutos, aos passos lentos o senhor ganha forças da esposa para seguir em frente. Ela passou a se cuidar e também fazer atividades físicas que, antes do susto, nenhum dos dois fazia.

Emagreceu cerca de 10kg e hoje a sua alimentação é preparada com base no cardápio que sua nutricionista orientou. Caldos de legumes substituíram a massa de todo o dia. O pão branco deu lugar ao integral e frutas passaram a fazer parte do café da manhã. “Hoje tomo leite no meu café da manhã, passei a gostar de frutas e cereal, coisa que antes eu não me dava ao luxo de colocar na boca. Agora já não consigo ficar sem. Não passo fome – o que sempre tive medo com as dietas alimentares – e faço questão de fazer tudo certo, como a nutricionista orienta, ela melhorou a minha vida”, comenta.

Doenças cardiovasculares não escolhem idade

Revista Servioeste Saúde e Meio Ambiente Doenças cardiovasculares não escolhem idade Outro caso que pode ser comparado ao de Eneia Mateas é o de Lucineia Andrade, o que difere é a pouca idade comparada ao do aposentado. Lucineia, 34...

Outro caso que pode ser comparado ao de Eneia Mateas é o de Lucineia Andrade, o que difere é a pouca idade comparada ao do aposentado. Lucineia, 34 anos, teve sua vida transformada drasticamente após enfartar aos 30 anos. Com 1,65m de altura e 100kg, era considerada obesa pelos médicos. Não se importava com os quilos a mais, até que teve a sua vida colocada em risco. Após uma parada cardiorrespiratória que quase a matou, ela mudou o foco da sua vida e a sua rotina passou a ser totalmente diferente.

Saiu do emprego para cuidar-se, realizar o que a medicina orientava e passou a viver cada instante como se fosse o último. Cortou de sua alimentação refrigerantes e frituras, quitutes que presentes em seu cardápio diário. Os dias de sol foram escolhidos para caminhadas ao ar livre e principalmente a natação. Já os dias chuvosos são aproveitados para fazer exercícios dentro da própria casa, com uma pequena academia improvisada.

Quatro meses após o incidente, emagreceu 20kg, e os mantêm há quatro anos. “Um susto desses fez com que pensasse muito, principalmente em mim. Em recuperação no hospital, o médico recomendou rever a alimentação e começar a praticar exercício, se não iria enfartar novamente. Mudei minha vida da noite para o dia e venci”, exalta.

Além dos exercícios físicos, Lucineia cuida muito com alimentação. Passou a ingerir frutas e legumes, cortou carboidratos e carne vermelha, preferindo grãos e alimentos orgânicos. Os sucos industrializados e refrigerantes deram espaço aos sucos naturais, mas ainda prefere água e chás para se hidratar constantemente. “Precisei me adaptar à nova vida como se fosse uma criança pequena. Tive que conhecer novos alimentos e ler os rótulos, pensar e viver melhor. Se não fosse pelo susto tenho certeza que não daria esse salto maravilhoso em minha vida”.

Ajuda natural

Para a nutricionista Ana Julia da Silva a ocorrência de um enfarte requer alteração no estilo de vida do indivíduo. “Mudanças nos hábitos alimentares, como a diminuição do consumo de alimentos industrializados, sal, açúcares e gorduras trans/saturadas são os primeiros passos que a pessoa deve adotar. Uma dieta balanceada incluindo frutas, verduras, legumes, carnes magras e gorduras do bem, melhora a condição de saúde e previne a obesidade, excesso de peso, diabetes e, consequentemente, as doenças cardiovasculares”, informa.

Segundo Ana Julia, a realização de atividade física diária superior a 30 minutos, seja a lazer, no trabalho ou no deslocamento corriqueiro diário, é o segundo passo para o indivíduo combater o sedentarismo e evitar complicações. A cessação do tabagismo e do consumo excessivo de bebidas alcoólicas é a terceira etapa para a diminuição do risco cardiovascular. “Essas mudanças, muitas vezes, são difíceis, mas a partir do momento em que a pessoa efetiva mudanças necessárias, passa a perceber os resultados positivos na sua saúde e qualidade de vida”, afirma a nutricionista.

Veja também

Como se alimentar melhor no inverno04/07/18Com a chegada dos dias mais frios, o apetite aumenta, pois o corpo gasta mais calorias para se manter aquecido. É comum sentirmos o apetite aumentar no inverno. Segundo a nutricionista Franciela Viau, do Hospital Universitário de Canoas, no Rio Grande do Sul, isso ocorre porque o corpo humano necessita de um maior gasto energético nos dias frios para produzir mais calor e manter a temperatura corporal normalizada. Com isso, é bastante comum que as pessoas descuidem da alimentação.......
Baixas temperaturas favorecem o surgimento de doenças respiratórias21/05/18O frio chegou e com ele também as famosas doenças do inverno. Resfriados, gripes, sinusites e asma são algumas das enfermidades comuns da estação. A mudança de temperatura, em especial no inverno, causa maior irritação e infecções das vias aéreas superiores (IVAS). Segundo o otorrinolaringologista Dr. Rodrigo Kohler, essa influência acontece, pois ficamos......
Como manter a saúde durante o inverno27/06/17Cuidado com o choque térmico ao sair de ambientes aquecidos. As variações de temperatura de um ambiente para outro necessitam de atenção especial. Ao sair da academia, por exemplo, para encarar as baixas temperaturas no ambiente externo, é fundamental agasalhar-se. Afinal, o corpo......

Voltar para NOTÍCIAS