Postado em 24 de Julho às 09h42

Caranguejos que salvam vidas

Especial (21)

Indústria bioquímica depende destes animais para produção segura de medicamentos

A expressão sangue azul data do Egito Antigo, está cercada por estigmas étnicos e raciais e é sinônimo de nobreza. Cientificamente, contudo, trata-se do sangue de um artrópode de nove olhos: uma espécie de caranguejo-ferradura do gênero Limulus encontrado no Atlântico, Índico e Pacífico, cuja existência é estimada em 450 milhões de anos. A tonalidade deriva do cobre presente no sangue destes animais.

Costuma-se dizer que estes caranguejos salvam vidas. Seu sangue é essencial na produção de vacinas. A descoberta foi em 1956, quando Fred Bang reparou que o sistema imunológico do caranguejo-ferradura conseguia detectar bactérias tóxicas.

O lisado de amebócitos de límulo retirado destes animais é um recurso essencial para que a indústria farmacêutica torne vacinas, injeções e equipamentos médicos seguros para uso humano. O líquido é empregado no processo de fabricação de diversos produtos farmacêuticos projetados para entrar em contato com a corrente sanguínea humana já que é capaz de revelar a presença de contaminantes.

Em 1977, a agência Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aprovou a utilização do lisado. De lá pra cá, sob protesto dos ambientalistas mais conservadores, todos os anos, milhares destes animais são capturados para uso biomédico, principalmente nos Estados Unidos.

Caro e em risco de extinção

O caranguejo-ferradura está ameaçado de extinção. Eles são devolvidos ao mar após a coleta de 30% do seu sangue, porém, nem todos sobrevivem. Por ser a única fonte natural reconhecidamente segura para o fim, as indústrias farmacêuticas dependem da espécie, o que torna o líquido um dos mais caros do mundo: um litro do chamado sangue azul chega a ser vendido por 15 mil dólares.

As indústrias que quiserem comercializar vacinas contra a covid-19 nos Estados Unidos, por exemplo, terão de usar o lisado nos testes e na produção. A exigência é da farmacopeia norte-americana (USP), que estabelece padrões científicos para medicamentos e outros produtos. Algumas indústrias farmacêuticas já sintetizam a molécula, possibilitando uma abordagem ecologicamente correta, entretanto, a alternativa parece não ser efetiva e ainda não é recomendada nos EUA.

Com informações de NatGeo.

Veja também

Os desafios do licenciamento ambiental09/06 Mudanças na legislação para agilizar trâmites cobram melhores projetos dos empreendedores e exigem melhor estrutura dos órgãos de controle Quanto tempo demora para conseguir uma licença ambiental no Brasil? Essa pergunta não tem uma resposta exata, não só pela falta de legislação clara e objetiva, mas porque a própria lei......
Odontologia04/08 Equilíbrio do organismo envolve cuidados com a saúde bucal A visita ao dentista deve ser incorporada aos check-ups anuais e exames de rotina. Devemos abandonar o costume de ir ao dentista só para tratar dores. A saúde da boca......
Entrevista com Augusto Cury24/06 “O mundo virou psicótico” Médico psiquiatra, pesquisador e escritor. Autor de best-sellers publicados em mais de 70 países, mais de 30 milhões de livros vendidos somente no Brasil. Augusto Cury é autor da......

Voltar para NOTÍCIAS