Postado em 27 de Julho de 2017 às 14h44

Brasil diminui uso de substâncias que afetam camada de ozônio

Gestão Pública (21)

Em compromisso com Protocolo de Montreal, País já eliminou 34% do consumo de Hidroclorofluorcarbonos, usados na produção de ar-condicionados e geladeiras.

O Programa Brasileiro de Eliminação dos Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias que afetam a camada de ozônio, já possibilitou a retirada de 34% do consumo brasileiro desses elementos, cuja meta é de 35% para o ano de 2020, conforme o estabelecido pelo Protocolo de Montreal.

O HCFC é importado para a fabricação de geladeiras, aparelhos de ar-condicionado e expansão de espuma para móveis como sofás e colchões.

A segunda etapa do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs, o PBH, tem o compromisso de retirar das cadeias produtivas 51,6% dessas substâncias a partir de janeiro de 2021. A substância deve ser banida em 2040.

Em alguns dias será concluída a minuta da Instrução Normativa apresentada em reunião do Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) que ocorreu na última semana. O documento foi bem recebido pelas associações que representam os setores produtivos e deverá ser submetido à apreciação em consulta pública até o fim do ano.

A coordenadora-geral de Proteção da Camada de Ozônio do MMA, Magna Luduvice, explica que a evolução tecnológica já garante uma transição sem grandes impactos para a indústria. “Há várias opções de substituição que podem ser adaptadas a cada setor”, destaca. 

Protocolo de Montreal

O protocolo sobre substâncias que destroem a camada de ozônio é um tratado internacional que entrou em vigor em 1989. O documento assinado pelos países impôs obrigações específicas, em especial a progressiva redução da produção e do consumo das substâncias nocivas, até sua total eliminação. É o único acordo ambiental multilateral cuja adoção é universal: 197 estados assumiram o compromisso.
 

*Fontes: Portal Brasil e Ministério do Meio Ambiente

Veja também

Hoje Brumadinho...e amanhã?16/04/19O alarme não soou e quando se percebeu, a lama já arrastava tudo o que estava pela frente. Por Tuanny de Paula Sem aviso e um barulho estrondoso. Esse é o relato dos moradores do município de Brumadinho/MG sobre o rompimento da barragem na Mina Córrego do Feijão, administrada pela empresa Vale. O desastre aconteceu no dia 25 de janeiro de 2019, durante o meio dia. Em questão de 90 segundos, mais de 11,7 milhões de metros cúbicos de lama se espalharam......
Arborização Urbana12/06/17Preocupação com o meio ambiente eleva a qualidade de vida nas cidades Com o avanço urbano, as árvores disputam espaço com o concreto. O crescimento das cidades acarreta em maior poluição, alterações climáticas, dentre outras consequências que tornam o planejamento de......
Lançado projeto Bikeco em Canoas/RS20/06/18Bicicletas ecológicas serão alternativas às carroças, que estão proibidas no Centro da cidade. A Prefeitura de Canoas, no Rio Grande do Sul, lançou nesta terça-feira (19) o projeto "Bikeco", iniciativa que integra o Programa Canoas Sem Carroças. Após a proibição da circulação das......

Voltar para NOTÍCIAS