Postado em 09 de Junho de 2017 às 16h38

2016 bateu recordes de temperatura global

Resp. Ambiental (31)

Estudos apenas confirmaram aquilo que todos nós sentimos na pele: 2016 foi o ano mais quente globalmente já registrado na história.

No fim de março, a Organização das Nações Unidas – ONU confirmou que 2016 bateu todos os recordes de temperatura já registrados pela pesquisa em anos anteriores. Este é o terceiro ano consecutivo que o recorde é quebrado e, de acordo com os cientistas, a tendência é que 2017 siga os mesmos passos, registrando uma nova marca inédita.

Os pesquisadores explicam que o planeta está passando por um período com tendências de aquecimento a longo prazo, e que 2016 registrou o ápice dessa análise – que é feita desde 1880. Vale destacar que a maior parte do aquecimento global ocorreu nos últimos 35 anos, com 16 dos 17 anos mais quentes sendo registrados de 2001 para cá.

Para explicar os números os cientistas apontam o aumento do nível dos oceanos e temperatura da água, diminuição da camada de gelo global, além de eventos climáticos que provocaram grandes impactos na temperatura, como o caso do fenômeno El Niño, por exemplo. Os problemas com a baixa camada de gelo no Polo Norte e na Antártida foram também lembrados por seus recordes negativos.

De acordo com o Ph.D na área de Ciências Exatas e Ambientais, Ronei Baldissera, uma quantidade excessiva de energia, atualmente, é direcionada para apenas uma espécie no planeta, o Homo sapiens. O especialista explica que, através da liberação da energia anteriormente estocada nos combustíveis fósseis, a humanidade aumentou substancialmente a energia disponível para impulsionar o ecossistema global. “Os subprodutos da alteração no orçamento global de energia são grandes modificações na atmosfera e nos oceanos. E o entendimento ecológico de que a biodiversidade responde aos fatores ambientais indica que poderá haver mudanças na distribuição e na ocorrência de espécies nos diferentes ecossistemas”, afirma.

Segundo os especialistas da ONU, o clima mundial entrou em “território desconhecido”, uma vez que os
modelos de análise desenvolvidos nas últimas décadas para examinar o comportamento da atmosfera não compreendem a extremidade dos últimos eventos enfrentados pelo planeta. “Quando o ambiente muda, espécies que possuem adaptações desenvolvidas durante milhões de anos a determinadas faixas ambientais podem estar mais suscetíveis à diminuição de seus indivíduos e, se a diminuição for drástica, a desaparecer dos ecossistemas”, alerta Baldissera.

Veja também

Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas residências e restaurantes de Brasília. Assim, os resíduos orgânicos que antes eram enviados aos lixões e aterros sanitários, agora......
Lançado Movimento Lixo Zero Chapecó12/02/19Decreto estabelece que a Prefeitura de Chapecó e suas secretarias municipais se tornarão efetivamente Lixo Zero, até 2020. A Prefeitura de Chapecó apresentou na manhã desta terça-feira (12) à todas as entidades empresariais, de classe, educacionais, sindicais, culturais ou que representam qualquer tipo de movimento econômico no município o......
Descarte correto de cosméticos13/10/17Todo mundo usa, mas poucos sabem que produtos de higiene pessoal ou maquiagens não devem ser tratados como lixo comum. Por Carol Bonamigo Antes de mais nada, é importante definirmos do que estamos falando. Conforme Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (RDC Anvisa) nº 7/2015,......

Voltar para NOTÍCIAS